segunda-feira, 28 de maio de 2018

O OUTRO Pafúncio.

Este aqui abaixo é o Pafúncio que todo mundo conhece, das histórias da revista CARTUM, mas antes dele houve um OUTRO PAFÚNCIO!!




Quando batizei o personagem narigudo e com barbicha acima de PAFÚNCIO, eu nem imaginava que já tinha existido um outro personagem com esse nome, o qual foi desenhado nos EUA entre 1913 e 2000 (no ano seguinte, em 2001, foi publicada a primeira revista CARTUM com o Pafúncio daqui). O Pafúncio de lá parou de ser publicado no Brasil em 1970. 
Naquela época, eu conhecia muito pouco de quadrinhos e nem sonhava em poder fazer pesquisas na internet. O nome Pafúncio eu escolhi por ser um nome raríssimo e dificilmente as atitudes incomuns do Pafúncio (personagem) iriam ofender ou chatear alguém com o mesmo nome que pudesse vir a ser perseguido pela comparação. Eu costumava ler esse nome em histórias do Penadinho, o fantasma da turma da Mônica. Muitas histórias traziam esse nome como fantasmas recém desencarnados que apareciam no cemitério, de repente. A escolha deste nome, por parte da equipe do Maurício de Souza, provavelmente deveria ter motivos semelhantes.

Conheça um pouco mais sobre o Pafúncio "desativado", através da resenha publicada no Guia dos Quadrinhos:

Nome original: Jiggs

Licenciador: King Features Syndicate

País de origem: Estados Unidos da América

Criado por: George McManus



O hilário Pafúncio foi criado para os jornais americanos em 1913, dentro da série “Bringing Up Father”, publicada em forma de tiras em preto-e-branco. Trata-se de um imigrante irlandês que ficou milionário apostando em cavalos de corrida. 




O curioso é que, no início, a personagem em destaque da série era a filha Nora, e é por isso que a historieta tem o nome de “Bringing up father” (que significa “Educando papai”), pois cabia à fina e sofisticada moça educar o pai ignorante e sua mãe, a feiosa Marocas. Mas a bela Nora acabou desaparecendo com o passar dos anos, ficando em destaque seus engraçados pais, a ponto da série ficar conhecida no Brasil de “Pafúncio e Marocas” (ou “Vida apertada”). 




Apesar de rico, Pafúncio é rejeitado no “jet set”, por seu jeito novo-rico, boêmio e mulherengo, para desespero de sua "patroa", a feiosa, brega e ciumenta Marocas, que sonha em entrar na fina roda. 




Para criar a HQ, o autor teria se inspirado em “The rising generation", comédia musical de William Gill e estrelada por Billy Barry, um humorista irlandês baixinho e gordinho que interpretava um personagem chamado Martin McShayne. 




E Pafúncio foi ganhando cada vez mais popularidade. Em 1918 surgiu a página dominical colorida. 10 anos depois, um filme com J. Farrell MacDonald como Pafúncio. A partir de 1946, Joe Yule estrelou um longa que deu origem a quatro sequências: “Jiggs and Maggie in society” (“Pafúncio e Marocas na sociedade”, 1947), “Jiggs and Maggie in court” (“Pafúncio e Marocas na corte”, 1948), “Jiggs and Maggie in Jackpot Jitters” (1949), “Jiggs and Maggie out west” (1950). 




A historieta durou 87 anos, sendo publicada até 28 de maio de 2000. No Brasil, a página dominical de “Bringing up father”, com a assinatura de McManus, foi publicada no jornal “Diário da Noite”, sem as cores, como “Vida apertada”. Ao que parece, a última tira de “Vida apertada” publicada no “Diário”foi em 1951. As tiras diárias (em preto-e-branco) também foram publicadas em diários brasileiros, como “O Globo” (que as publicou entre os anos 50 e 70).

- Antônio Luiz Ribeiro








Nenhum comentário:

Pontos de Venda do Livrão "Colonização do Vale do Itajaí MIrim"

PONTOS DE VENDA São 21 revendedores do Livrão na cidade de Brusque. A medida que outros locais forem aderindo, estaremos incluindo nes...